Moda

Todas as intrigas que marcam a história da Gucci

Todas-intrigas-marcam-história-Gucci

Por mais incrível que pareça, Guccio Gucci, fundador da grife italiana, pertenceu à uma família muito humilde e batalhou muito para construir seu império. Guccio Gucci nasceu em 26 de março de 1881 em Florença, na Itália. E trabalhou como porteiro do Hotel Savoy em Londres, onde se apaixonou pelas charmosas bolsas exibidas por hóspedes de todo o mundo. Em memória de sua família, ele finalmente voltou para sua cidade natal para trabalhar em um ateliê  e malas. Anos depois, a Gucci estava pronta para atacar por conta própria e abriu sua própria loja de artigos de couro em 1921.

A Gucci, devido à qualidade e excelência das malas e bolsas, não demorou muito para chamar a atenção da nobreza e da burguesia, tornando-se uma marca reconhecida e muito requisitada pela elite italiana, o que permitiu que Guccio Gucci fundasse a sua própria fábrica. Mas esse foi apenas o começo da construção de uma marca luxuosa e milionária. Durante sua trajetória, há muitas intrigas que marcam a história da Gucci. Para acompanhar todos os escândalos da grife, leia este texto na íntegra. 

Primeira loja Gucci

A primeira grande loja Gucci foi inaugurada em Roma, em 1938. Com a expansão da marca, os filhos mais velhos de Guccio Gucci – Rodolfo, Aldo e Vasco – passaram a integrar os negócios da família.

Em 1953, apenas 15 dias após a primeira boutique de Gucci abrir suas portas em Nova York, Guccio faleceu. Mas apesar da morte prematura de Guccio, sua marca continuou a florescer e a chegada dos Gucci nos EUA foi abraçada pelos consumidores americanos. A década que se seguiu foi uma era de ouro para Gucci graças às celebridades que começaram orgulhosamente a ostentar seus projetos.

Após alguns conflitos da família Gucci, em 1994, Tom Ford assumiu a direção criativa da empresa. Na verdade, Tom Ford é aclamado como o verdadeiro salvador da Gucci por um bom motivo, pois, quando se tornou o diretor de criação da Gucci, o estilista injetou um apelo sexual na marca, que não foi encontrado em nenhuma outra coleção da época. Saias justas e saltos agulha sexy contrastam fortemente com a tendência minimalista dos anos 90 e foram totalmente aceitos pelos consumidores. O ímpeto de vendas da Gucci fez de Tom Ford um superastro da moda com valor de US$10 bilhões.

Atualmente, o diretor criativo é Alessandro Michele que inovou, mais uma vez, a marca de luxo.

Gucci o sonho supremo

Após a nomeação, Michele continuou a cumprir com a reputação de um ótimo designer de bolsas, mas suas realizações foram muito além da bolsa grande.

Nos seis anos desde que assumiu como diretor de criação, Michele transformou a Gucci em um sonho supremo por meio de sua série de obras inovadoras,com cristais, babados, esquemas de cores vibrantes, dragões e cabeças falsas e referências infinitas à cultura popular e uma compreensão natural da consciência social. Assim, Michelle empurrou Gucci de volta ao que ela mantinha sob o status de exclusividade e luxo da época de Tom Ford.

Na verdade, apesar de estar em um estado de imaginação avançado e inovação contínua, Michelle ainda encontrou uma forma importante de comemorar o passado da marca. Sob sua orientação, o Gucci Garden foi criado no histórico Palazzo della Mercanzia, em Florença, em 2018, um local em que a história da Gucci pode ser vivenciada por meio de um rico acervo. 

Todas as intrigas que marcam a história da Gucci

Com diversas intrigas e escândalos entre os próprios membros da família Gucci, a marca, hoje em dia, pertence a François Pinault.  O primeiro conflito, que contribuiu para a decadência da grife, aconteceu na década de 1980. Aldo Gucci foi citado em um escândalo de fraude fiscal que chegou a US$7 milhões! O custo das batalhas judiciais e crises familiares da Gucci foi muito alto. A Gucci, então, entrou em declínio criativo e estagnou. Testemunhas disseram que, para se ter uma ideia, em uma reunião era muito comum ouvir palavrões e cinzeiros direcionados para a parede. 

Como se não bastasse, em 1984, Maurizio Gucci torna-se o único e último membro da família a permanecer na empresa, traindo seus primos e, até mesmo, seu tio Aldo Gucci. No entanto, em 1993 ele decide vender a empresa para o grupo Investcorp e encerra o percurso da família Gucci como proprietária da marca. 

Maurizio Gucci é assassinado, em 1995, ao chegar em seu escritório em Milão a pedido de sua esposa Patrizia Peggiani. Ela foi condenada a 26 anos de prisão, mas cumpriu apenas 17 anos. A trágica história será contada no filme “House of Gucci” que será lançado em novembro de 2021, estrelado, inclusive, por Lady Gaga. 

Apesar de muito glamour, tradição e luxo, a marca Gucci conta com intrigas, traições e mortes que marcaram a história e decadência da família herdeira. Se você gostou deste conteúdo, curta e compartilhe!

Posts Relacionados
ComprasModaNegócios

Comprar roupas infantil no atacado para revender: Dá dinheiro?

Você sabia que a revenda de roupas infantis é uma boa oportunidade para quem quer ganhar dinheiro e ter o próprio negócio sem patrão? Pois é! Há muitas pessoas que querem entrar neste ramo e…
Leia mais
Moda

Saiba 4 dicas para melhorar a aparência do seu bigode

Para muitos, um bigode cheio e saudável faz toda diferença na auto estima. Se você não está satisfeito com o seu, saiba neste artigo o que você deve fazer para que seu bigode tenha uma…
Leia mais
Moda

Como escolher um casaco de frio infantil para o inverno de 2021?

Se você também tem dúvidas de como escolher um casaco de frio infantil, nós vamos te ajudar.  Acredite, essa é uma dúvida bem comum entre as mães, principalmente aquelas de primeira viagem, e que estão…
Leia mais